Camilla Camargo fala sobre introdução alimentar do filho

Nutricionista infantil, Camila Garcia,  comenta os benefícios da independência dos pequenos na hora das refeições

Camilla Camargo, de 35 anos de idade, filha de Zilu Godói e Zezé Di Camargo, é mãe de Joaquim, 2 anos, e de Júlia, 4 meses, com o marido, Leonardo Lessa.

A atriz adora compartilhar parte do dia a dia com pequenos em suas redes sociais. Mãe de dois, a atriz comenta sobre as suas experiências na maternidade e dá detalhes da alimentação do primogênito.

Joaquim tinha dificuldade de comer melancia e melão. Não conseguia mastigá-los e acabava recusando”,

explica Camilla. 

Segundo Camila Garcia, nutricionista infantil comportamental, essa recusa no início da introdução alimentar é normal.

Ensinar uma criança a comer é trabalho diário, exige paciência e dedicação. A recusa é comum e tem um motivo aparente. Basta você prestar atenção e olhar para o seu bebê para entender. Geralmente ela é comum antes dos 2 anos e pode acontecer por causa de uma mudança na rotina, de um dentinho nascendo ou a chegada de um irmão. Ser sensível a esses momentos e acolher o seu bebê é importantíssimo. Precisamos entender que as crianças estão formando o seu paladar e às vezes podem não querer o mesmo alimento todos os dias”,

aponta.

Com recém 2 anos completados, Joaquim tem uma alimentação regrada e saudável. “Ele tem uma rotina de alimentação super saudável. Come frutas, legumes e verduras todos os dias, sempre com grupos de cereais,  proteínas, raizes, caules ou folhas”,  contou a atriz.

Muitas mães quando vão iniciar a introdução alimentar do seu bebê querem fazê-la através do método BLW. Segundo Camila, que utiliza algumas práticas, as frutas do filho são oferecidas cortadas. “O Joaquim nunca comeu papinha. No máximo, os alimentos eram amassados no começo da introdução”, fala.

“Independentemente do método BLW ou o método tradicional, no qual você amassa a comida com um garfo, confiança e segurança são essenciais nessa fase. Isso tanto para a mãe como para a criança. Alimentação infantil é muito importante para o bom crescimento e desenvolvimento de qualquer criança”, comenta a nutricionista. 

Camilla aproveita para comentar como está o processo com Joaquim: “Ele está começando a comer sozinho, então alguém ainda oferece comida para ele”.

A nutricionista Camila Garcia finaliza dando dicas para os pais e responsáveis que querem trabalhar a autonomia dos fihos:

Se o bebê já está preparado, com os sinais de prontidão, a abordagem de deixar o bebê comer sozinho é totalmente segura. Então é só fazer o corte certinho dos alimentos e deixar o bebê conduzir o processo comendo sozinho. Além do contato com os alimentos e as diferentes texturas, este método promove a autonomia e a coordenação motora do bebê”.

Sobre Camila Garcia

Camila Garcia é nutricionista infantil comportamental e acredita no poder da alimentação infantil como essência de um mundo mais leve e saudável.

Formada em nutrição pela PUC-Campinas e pós-graduada em saúde e nutrição infantil pela Unifesp – CRN 34782.