Luíza Sonza dispara sobre haters

“Eu aprendo com os ataques, e entendo que às vezes a pessoa não está em um momento bom”

Nesta quinta-feira (2), o Podcast Pod Delas, apresentado por Tata Estaniecki e Bruna Unzueta, recebeu a cantora Luísa Sonza.

Com início um pouco depois do programado, o papo já começou descontraído, com Luísa brincando sobre seus horários e apresentando uma convidada especial que ficaria por ali durante toda a conversa.

“Eu me atraso, mas sempre compenso os fãs. E hoje eu trouxe a Gisele para participar aqui comigo” disse aos risos ao mostrar sua pinscher, que estava escondida embaixo do moletom.

A conversa, regada a chimarrão, continuou com a cantora falando sobre o início da carreira, a ex de Whinderson Nunes revelou que foi componente de uma banda que tocava em festas de casamento por 10 anos, em Tuparendi, sua terra natal. “Eu comecei a cantar muito cedo e era uma vida corrida, algumas vezes chegava a fazer 26 shows por mês”, relata. 

Ao mesmo tempo, ainda na pequena cidade riograndense, a compositora começou a fazer cover. Inspirada em Mariana Nolasco e Gabi Luthai, adaptou seu conhecimento em música para buscar o sonho de se tornar conhecida e conta que sempre teve o apoio dos pais. “Mesmo quando eu não acreditava, meu pai dizia: vai Luísa, claro que dá”.

Aos 18 anos, com a chegada a São Paulo, a vida da até então cover, começou a mudar. Quando a apresentadora Tata questionou sobre a virada de chave na carreira e a cantora esclareceu  que era um momento que precisava buscar outro rumo. “Eu tinha que desassociar a imagem de cantora cover, por isso parti para algumas coisas diferentes”. 

Ao falar das composições, a convidada diz que todas trazem uma história e que por não dirigir, escreve muito no carro. “Nos trajetos de um lugar para o outro, vão surgindo ideias. Eu planejo tudo antes, então nos álbuns eu vou contando histórias, vou escrevendo a minha vida” 

Sobre relacionamentos, a musa deixou escapar que nunca tomou um fora, mas justificou dizendo que namorou praticamente a vida toda.

Quando perguntada sobre os constantes ataques que sofreu, Luísa afirma que em alguns momentos teve que recorrer à justiça, mas que procura se colocar no lugar das pessoas que a agridem. 

“Eu aprendo com os ataques. Às vezes a pessoa não está em um momento bom, está sofrendo e a minha meta de vida é ser uma pessoa melhor a cada dia”

conta Luiza

Mesmo com uma personalidade muito forte, a cantora revela que sofre muito com síndrome de rejeição e no lançamento de seu último álbum, estava tão tensa que não conseguiu acompanhar de início. Mas recebeu o apoio de seu pai, que cantou músicas para distraí-la.

Luísa Sonza encerra o Pod Delas com um sṕoiler sobre as turnês programadas para 2020, que  incluem os Estados Unidos, países da América Latina e Europa.

E aproveita para exaltar as participações especiais da americana Mariah Angeliq, na canção “Anaconda” e da brasileira Ludmilla, com quem divide a faixa “Café da manhã” no seu novo álbum.